A serviço dos que não podem falar

>>Buscador<<
>>Visite o novo portal<<
>>Quem Somos<<
>>Fale Conosco<<
>>Como Participar<<
>>Tribuna no Orkut<<
>>Grupo de Discussão<<
>Visite o novo portal<
>>Agenda<<

 Eventos

Adoções
Entidades
Petições on-line
Visite o novo portal
Visite o novo portal
Calendário
>>Direito Animal<<
Visite o novo portal
Adotante Responsável
Envenenar é um crime
Maus tratos são crimes
As leis que protegem os animais
>>Artigos<<
Proteção Animal
Saúde Animal
Meio Ambiente
Vegetarianismo
>>Textos<<
Sobre Cães
Sobre Gatos
>>Visite o novo portal<<
Visite o novo portal
>>Notícias<<
Aconteceu
Nossas lutas
Visite o novo portal
No Brasil e no Mundo
>>Meio Ambiente<<
Sites importantes
>>Animais Silvestres<<
Visite o novo portal
Não compre animais silvestres
>>Curiosidades<<
Visite o novo portal
>>Histórias Reais<<
Leia e apaixone-se
>>Fotos e Cartões<<
Envie para nós a foto de seu animal
Visite o novo portal
>>Sites Amigos<<
Sites de Defesa Animal

 

 

OS FOGOS DE ARTIFICIO E OS ANIMAIS

 O pânico e desespero dos animais devido à queima de fogos resultam em:
- fugas, tornando-se animais perdidos, atropelados e que vão provocar acidentes ;
- mortes, enforcando-se na própria coleira quando não conseguem rompê-la para fugir; atirando-se de janelas; atravessando portas de vidro; batendo a cabeça contra paredes ou grades;
- graves ferimentos, quando atingido ou sem saber abocanhando um rojão achando que é algum objeto para brincar;
- traumas, com mudanças de temperamento para agressividade;
- convulsões;
- morte e alteração do ciclo reprodutor dos animais da fauna silvestre.



EM PAÍSES DA EUROPA SÓ É PERMITIDO SOLTAR FOGOS EM ÁREAS PREVIAMENTE ESTABELECIDAS PARA NÃO PREJUDICAR A FAUNA.
 


RECOMENDAÇÕES DURANTE FESTEJOS QUE SE UTILIZAM DE FOGOS

 


1. Acomode os animais dentro de casa, em lugar onde possam se sentir em segurança, com iluminação suave e se possível um radio ligado com música. Se estiverem fora de casa verifique se muros, cercas e portões encontram-se em bom estado e são suficientes para impedir a fuga do seu animal, mesmo que ele esteja apavorado.


2. Nunca deixe seu animal preso em corrente, pois na hora do pânico ele pode se machucar ou se enforcar.


3. Se você mora em apartamento, verifique se as telas de proteção das janelas estão firmes e seguras;,evite deixar as janelas escancaradas, sobretudo se você tem gatos.


4. Coloque uma coleira com plaqueta de identificação no pescoço do seu cão ou gato, importante para achá-lo no caso de fuga. A coleira do gato deve ser elástica, para que não haja risco de enforcamento ao se prender a um galho ou outro objeto. A plaqueta deve conter o número do seu telefone (residência e celular).


5. Feche portas e janelas para evitar fugas e suicídios;


6. Dê alimentos leves, pois distúrbios digestivos provocados pelo pânico podem matar (torção de estômago, por exemplo);


7. Cubra gaiolas de pássaros e cheque cercados de animais (cabras, galinhas etc.);


8. Não deixe muitos cães juntos, pois, excitados pelo barulho, brigam e se ferem gravemente.


9. Consulte o seu veterinário de confiança para saber sobre algumas medidas que podem tranqüilizar seu bichinho nessas ocasiões, como tampões de ouvido e calmantes. Mas lembre-se: nunca dê medicamentos ao seu cão ou gato sem a indicação veterinária.

 

Texto reproduzido com autorização da ONG "Fala Bicho". A entidade realiza uma campanha anual desde 1995, chamada "Bicharada passa p´ra dentro".

Todos os sábados, a partir das 10 da manhã, ouça o quadro “Fala Bicho” no Programa Francisco Barbosa na Radio Tupi – AM 1280 (RJ) ou pela internet em
http://www.tupirio.com.br/. A gravação está no site www.falabicho.org.br .

 

Em tempo: Nós da Tribuna Animal, assim como muitos outros protetores, passamos o Reveillon e outras datas que se utilizam de fogos junto aos nossos animais, pois não existe outra recomendação melhor do que esta para tranqüilizar estes amigos que nos fazem companhia durante todo o ano.

   

 


              Todos os direitos reservados   © Tribuna Animal 2003/2008

Os artigos, notícias e textos assinados são de exclusiva responsabilidade de seus autores